Treinamento em Casa

Atualmente o mercado do fitness tem diversos recursos materiais que podem ser utilizados em casa, nos parques, playground e outros. Nem todos são fáceis de se transportar de um lado para o outro, principalmente quando não temos carro. Em 1995 o iniciava no Rio de janeiro o atendimento personalizado e individualizado em residências, naquela época tínhamos o colchonete, halteres, caneleira e a boa vontade e a criatividade. Hoje os profissionais de educação física têm material farto e fácil de se carregar (leve e pequeno). Uma atenção deve ser dada a estes materiais, pois pequenos acidentes como: o elástico arrebentar, a bola furar, a fita de suspensão soltar, ou não estar nos ajustes corretos para as dimensões corporais do aluno, assim cabe ao professor cuidar e verificar a segurança do material. Muitos professores saem carregados de materiais que nem sempre são necessários e que poderiam ser substituídos por outros mais baratos e leves. O trabalho de personal realizado dentro da casa do cliente é completamente diferente do realizado em outros locais, é interessante orientar o aluno a comprar o próprio material caso resistam leve o seu e aos poucos mude a mentalidade do seu aluno, educando sobre a importância de se ter o material em casa, pois em dias que treinar sozinho vai precisar deles. Outro aspecto é o desgaste do material, ao longo do dia, das semanas, meses, diversos alunos utilizando o seu material, o custo aumentará, devido a reposição do mesmo. E, os objetivos são diferenciados quanto ao treino e ao gosto pelos materiais…se você utiliza o seu material, limpe-o com água ou álcool sempre que utilizar com alunos diferentes, mesmo que no mesmo dia (o aluno percebe seu capricho) e diga que limpa, ele verá que você se preocupa com ele! Quando temos pouco material, procure revezar o programa alternando com movimentos livres. Lembre-se, nem sempre muito é melhor! No lado pessoal, ao entrar na casa de uma pessoa para trabalhar, procure respeitar o espaço, vá limpo, arrumado, de preferência de calça comprida (mesmo no calor), procure falar baixo, pode ser que tenha outras pessoas na casa, não ache que você é um amigo indo visitar alguém, você é simplesmente um professor prestando um serviço, na casa da pessoa, na intimidade do lar. Por isso, não peça água, leve a sua, se oferecer café, ou outros evite aceitar um dia ou outro por educação ainda vai. Temos que ser profissionais por mais que o ambiente (local) não seja. Nós (professores) temos a obrigação de nos valorizarmos sempre. O texto escrevi aos jovens que em breve estarão no mercado de trabalho e vejo o atendimento em casa uma excelente opção de trabalho.
(Texto escrito pela professora PhD Laura Castro de Garay personal trainer em residências há 20 anos)
Imagem: American College of Sports Medicine (http://www.acsm.org/docs/default-source/infographics/home-weight-room-equipment.jpg?sfvrsn=4)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *